(…) um Dragão com asas de morcego que tinha a pele mais dura que pedra (…)

Embora a frase que dá título ao post de hoje seja apenas um trecho extraído de uma antiga lenda, é possível reconhecer que nela já existe um sentido, isto é, algo que nos faça imaginar uma história. Ora, pense em um dragão com asas semelhantes as de um morcego e cuja pele não se pode penetrar, pois é tão dura quanto uma pedra. Ainda que a frase não seja suficiente para esclarecer o início e o desfecho da lenda a qual pertence, não se pode negar que a mesma já nos fornece uma pista: o post de hoje é sobre a história de um dragão. Por hora basta dizer que esta história ainda não foi contada no RCT3.

 

um Dragão ... (lassoares-rct3)

 

Busquemos o início da lenda, o princípio que nos levará ao fim e toda lenda começa com um título que geralmente nos apresenta seus principais personagens, neste caso, Jorge e o Dragão. Neste mesmo início, revela-se o local, neste caso, uma tranquila cidade medieval cortada por um rio. Com isso já temos os personagens e o cenário: o Jorge, o dragão e a cidade medieval cortada por um rio. Não podemos esquecer que também sabemos que o dragão possui asas de morcego e pele de rocha, entretanto, ainda nos resta agora saber como essa lenda se desenrola.

 

Junto ao rio o dragão faminto ficava e ameaçava a tranquilidade da pequena cidade, para tentar expulsá-lo muitos dos combatentes enviados pelo rei morreram, os que viveram voltaram a cidade e sem conseguir expulsá-lo restou-lhes dizer que o dragão tinha “asas de morcego que tinha a pele mais dura que pedra”. Restou ao rei fazer um acordo com o dragão prometendo a entrega diária de duas ovelhas, algo que saciasse sua fome. Mas isso não bastou, quando já não havia mais ovelhas o acordo foi quebrado pelo dragão que exigiu que a filha do rei lhe fosse entregue, caso contrário a cidade seria atacada. Quando já parecia não haver outra saída, eis que o Jorge se oferece para lutar com o dragão e de lança em punho o acerta e o domina para assim libertar a cidade e a filha do rei de um trágico fim.

 

Ainda que muitas versões possam ser contadas, essa lenda costuma ser usada para narrar a história de São Jorge, um símbolo da luta do bem contra o mal, uma lenda que ilustra a disputa entre forças opostas. Em outras palavras, um tema repleto de significações que poderia ser facilmente levado a um parque de diversões para ser apresentado, ainda que de forma indireta, como a inspiração para a montagem de uma montanha-russa.

 

Espere um pouco, isso já ocorreu! Esta é a lenda que inspirou a criação da Joris en de Draak, uma das mais incríveis e emocionantes coasters instaladas no Efteling (Holanda). Uma dual-tracked wooden roller coaster que resgata e reinterpreta a lenda de Jorge e o Dragão. Como qualquer dueling coaster a Joris en de Draak coloca duas linhas de carros em confronto, mas há algo que apenas a Joris en de Draak faz, pois além do duelo representado pelos cruzamentos e aproximações dos traçados, seus passageiros, tanto os que ocupam os carros vermelhos, quanto os que ocupam os carros azuis, farão uma luta entre si para vencer o dragão. Portanto, uma dupla, divertida e emocionante competição que revive e remodela a lenda de Jorge e o Dragão.

 

Para ser mais preciso, a Joris en de Draak é uma jornada de aproximadamente 800 metros, melhor dizendo uma jornada com dois traçados – água e fogo – de 1600 metros que simboliza as duas forças que lutam contra o dragão. Enquanto um tenta treina para usar a água como arma – azul –, a outra treina com o fogo – vermelho –, sendo o vencedor aquele que primeiro atingir a chegada. Não há como negar, trata-se de uma entusiasmante coaster, cuja inspiração é igualmente capaz de nos motivar a iniciar uma recriação tendo o RCT3 como meio.

 

Se isso for de fato uma possibilidade, algumas perguntas se tornam imediatas: qual CTR e CSO usar? A resposta exige cautela e dois pontos de observação, sendo um deles o fim e o início da história aqui contada. Primeiro ponto: o CTR não será um problema, pois o Joey já criou o Jedd (abreviação de Joris en de Draak), um CTR que oferece dois custom cars cuidadosamente montados para reproduzir a coaster do Efteling. Portanto, faça o download deste CTR (apresentado na imagem abaixo, extraída e adaptada da foto postada pelo próprio designer no wonderplein) e o primeiro passo para recriar a Joris en de Draak estará dado, assim como fizeram outros jogadores de RCT3, dentre eles o RCT3tje que recriou os traçados da coaster no RCT3.

 

Jedd (Joey) lassoares-rct3

 

Segundo ponto: O CSO e provavelmente o maior problema. Mas antes de falar sobre isso, os convido a visitar a página oficial na Joris en de Draak, onde um vídeo promocional da coaster poderá visto. Cliquem aqui e admirem as cenas que em quase um minuto e meio revelam algumas das principais passagens da Joris en de Draak. Agora sim volto ao que talvez seja o maior problema: os CSOs necessários para a recriação. Depois de assistir o vídeo fica claro que, dentre outras ações, a reprodução dos suportes de madeira não será um problema, para os quais pode-se usar o BigBurger'sTimber 2.0 do BigBurger.

 

O mesmo pode ser dito da vegetação que cerca o traçado, bem como da estação e de outras construções de madeira presentes no cenário da coaster. CSOs de vegetação não nos faltam, visite o post do CSO List (002) e encontre cerca 50 opções (apresentadas no type Vegetation). Para as estruturas de madeira parece-me que os sets DasMatze_SwizzIt! do DasMatze, HBsWestern2, 2a e 2b do RCTchen, Krypt Wood Station do Krypt, PBJShack do PB&J, Ralfvieh_s_Russian_Woods do Ralfvieh, Santoyo's Log Cabin Walls do Santoyo e VodhinsVermontTheme_v1c do Vodhin (todos apresentados no CSO List (002), entre outros serão úteis.

 

Mas ainda faltará algo e penso que aqueles que assistiram ao vídeo promocional da Joris en de Draak assim pensam. Falta justamente o dragão, o mesmo citado no título do post, cujas asas parecem as de um morcego e cuja pele não se pode penetrar, pois é tão dura quanto uma pedra. Falta, sem qualquer espaço para dúvida, o principal elemento da história, o elemento de cenário que permite a ligação da lenda a coaster do Efteling.

 

Se assim for, com o perdão da sinceridade, qualquer tentativa de recriação da Joris en de Draak será frustrada, ainda que o Joey tenha se encarregado de criar o CTR e que os vários designers citados nos ofereçam interessantes opções para a montagem do cenário, sem o dragão animado que cospe fogo e move o rabo para fazer a água jorrar não há Joris en de Draak. Como dito: o CSO é provavelmente o maior problema. O que fazer? Abandonar o projeto?

 

Não! Pois deste de ontem (21 de Setembro), qualquer projeto de recriação da Joris en de Draak no RCT3 pode ser retomado. Como? Usando o pats efjoris en de draak criado pelo Patrick, um espetacular CSO que reproduz com perfeição o dragão instalado no Joris en de Draak. É importante deixar claro que o uso da palavra perfeição não é exagerado, pois o CSO criado pelo Patrick não só reproduz as texturas e formato do dragão, como também refaz todos os seus movimentos, inclusive o do rabo seguido do esguicho de água e o movimento final quando o dragão cospe fogo.

 

Trata-se de um trabalho primoroso, um cuidadoso ato de criação que não só proporcionará a recriação da coaster do parque holandês, como também possibilitará a criação de inúmeros cenários. Como dito, a qualidade da modelagem e das texturas impressiona, mas os movimentos são ainda melhores, sobretudo quando lembramos que este CSO é um ride event, isto é, uma peça que poderá ser acionada pela passagem do carro da coaster. Enfim, melhor mostrar do que descrever, para tanto, a imagem abaixo (elaborada durante o teste do pats efjoris en de draak do Patrick) e o vídeo (postado pelo próprio Patrick no seu canal do Youtube) são perfeitos.

 

pats efjoris en de draak CSO Ride Event (Patrick) lassoares-rct3

 

Resumindo, faça o download do  pats efjoris en de draak do Patrick (extraia, recorte e cole a pasta de mesmo nome na pasta Style/Themed do RCT3), monte o dragão (com suas duas partes e ovos) e reinvente a lenda, talvez você possa começar assim: Era uma vez um Dragão com asas de morcego que tinha a pele mais dura que pedra que ficava entre o traçado de uma grande montanha-russa (…).

 

Espero que o pats efjoris en de draak do Patrick os inspire a contar novas histórias, cenários e atrações, quem sabe assim, a história recomece e um novo fim possa ser pensado. Até a próxima.

 

Lassoares Set./2012

0 comentários:

Postar um comentário

Lassoares-rct3

ANO IV